Os quatro pilares de sustentação da familia

Os Quatro Pilares da Sustentação da Família
PR. JOSUÉ GONÇALVES
Autor: Pr. Josué Gonçalves

O casal é a espinha dorsal da família e a família é a célula máter da sociedade. Com base nestas duas verdades, vamos rever quais são os aspectos funcionais da união conjugal e como podemos desenvolver uma cultura familiar nutridora. Lembre-se, ninguém melhor do que o idealizador da família, que é Deus (Sl 127:1), para dizer como ela deve ser e funcionar e deixou tudo escrito em um "manual",a Bíblia. Deus deixou princípios que devem nortear a construçao do projeto familiar. Vejamos quatro princípios imprescindíveis que são como colunas de sustentação na edificação Da família:

I. INDEPENDÊNCIA GRATA.

"Por isso DEIXA o homem pai e mãe..." (Gn 2:24a) O casamento implica em romper o cordão umbilical de dependência dos pais, é um deixar em três aspectos importantes: geográfico(ter sua própria casae assumir a responsabilidadesde um novo lar), emocional (Os pais precisam entender que os filhos são temporários e o casamento é permanente.) e financeiro (o casal deve ter condição de se auto-sustentar). É sempre bom lembrar que o texto diz deixa, o que é bem diferente de abandona. A causa do fracasso de muitos relacionamentos, é porque o marido ou esposa depois que se casaram deram as costas aos pais abandonando-os. Há um mandamento na Palavra que

Diz: "Honra teu pai e tua mãe ... Para que tudo te corra bem e tenhas longa Vida sobre a terra". (Ef 6:2,3) Gosto de um pensamento que os agricultores usavaram em uma campanha nos Estado Unidos: "Se não gosta do que esta colhendo, olhe para traz e veja o que você plantou", isso se aplicada aqui também. Essa independência tem que ser com muita gratidão, é um deixar para voltar a fim de assistir, cuidar, abraçar e honrar os pais.


II.UNIFICAÇÃO - Aliança

"...e se UNE à sua mulher..." (Gn 2:24b) O termo unir ou apegar (como em algumas traduções) lembra a mesma palavra hebraica usada no livro de Josué 23:8. Apegar aqui significa juntar, afeiçoar, adaptar, agarrar, unir, atar, conciliar, harmonizar, ligar, fundir, soldar, associar, colar uma parte na outra, esse é o sentido da união conjugal. No livro de Malaquias há um texto que descreve a seriedade do casamento aos de Deus: "E vocês ainda perguntam: 'Por quê?' É porque o SENHOR é testemunha entre você e a mulher da sua mocidade, pois você não cumpriu a sua promessa de fidelidade, embora ela fosse a sua companheira, a mulher do seu acordo(aliança) matrimonial. Não foi o SENHOR que os fez um só? Em corpo e em espírito eles lhe pertencem. E por que um só? Porque ele desejava uma descendência consagrada. Portanto, tenham cuidado: Ninguém seja infiel à mulher da sua mocidade. 'Eu odeio o divórcio', diz o SENHOR, o Deus de Israel, 'e também odeio homem que se cobre de violência como se cobre de roupas', diz o SENHOR dos Exércitos. Por isso, tenham bom senso; não sejam infiéis". (Ml 2:14-16) É bom deixar claro que, o texto não diz que Deus odeia os divorciados, isto porque em determinadas situações a separação é como uma saída de emergência. Sem dúvida, se dependesse só de Deus, não haveria divórcio. Quando uma separação de casal acontece, ninguém ganha!

Por que Deus odeia o divórcio? Porque o casamento foi planejado para ser uma união monógama (o ideal de Deus: um homem para uma mulher e vice-versa), exclusiva (fidelidade) e permanente (não é uma relação descartável). Ainda que muitos tentem provar o contrário, esse é o plano original de Deus para os homens.

III.UNIÃO CARNAL - procriação e recreação.

"... Tornando-se os dois uma só carne..." (Gn 2:24c)

Procriação - (União Física - Biológica) Um dos aspectos funcionais do

Casamento é a perpetuação da raça humana, isso está explicitado em Gn 1:28b: "Deus os abençoou, e lhes disse: 'Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra'!..." (BNVI) Há casais que fazem a opção radical de não ter filhos, essa decisão pode no futuro ser a causa de conflitos, desajustes e infelicidade conjugal. Filhos são herança do Senhor (Sl 127:3) e traz equilíbrio na relação de casal, tê-los não é opcional, é uma necessidade.

Recreação - (União emocional) Não se pode negar a volúpia sexual (Pv 5:19). A satisfação que o sexo fornece é o prazer obtido de reafirmação do preito original do mútuo amor. Sem o prazer do sexo, sem a união física, o casamento se torna platônico, estéril e ilusório.


IV.INTIMIDADE - transparência.

"O homem e sua mulher viviam NUS, e não sentiam vergonha". (Gn 2:25)

Casar é conhecer, e só há conhecimento e intimidade quando homem e mulher se descobrem um para o outro no relaciomento conjugal. Essa nudez na relação de casal, deve ser mais do que física, precisa ser emocional, psicológica e espiritual. Conheço casais que dormem na mesma cama e até se relacionam sexualmente, mas vivem como dois estranhos, não há intimidade, não se conhecem. Quando é que o cônjuge se desnuda interiormente para que o parceiro (a) o conheça? Quando se constrói uma relação de confiança e de amizade dentro do casamento. A falta de liberdade e segurança, faz os casais deixarem de crescer em intimidade. Quando o casal procura desenvolver e aprofundar o compromisso de amizade e confiança na relação, os dois crescem em intimidade e fortalecem o casamento.

Conclusão

Quando esses quatro princípios independência grata, fidelidade na preservação da unidade, união sexual ajustada e intimidade física, emocional e espiritual são levados a sério, não tem como o casal não ser feliz contando sempre com a bênção do Senhor no relacionamento. Termino dizendo a você que, o meu sonho é ver o maior numero possível de famílias caminhando debaixo da graça do Senhor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário